domingo, 22 de fevereiro de 2009

imbecil

O sopro é translúcido ao furo
do lume em mão adversa. A roupagem
de pobre no chão é a nova vida arrancada
alucinadamente aos buracos da pobreza.

Faíscas à força do destino. A perda da tua consciência
enxuta faz-se ao beberes os diamantes
segredos para os restantes compadres
instrumentos terrestres.
O grito fortuito dobra-te todo,
tolhendo-te a alegria
de seres o rico.

A descrição da tua ascensão e queda faz-se
sem vírgulas ou pontos de qualquer espécie. Bens
mortos a fazerem de ti abertura à criança dos
brinquedos caros que, à leia da inveja, encarna
os bons, os maus, os heróis e as damas em apuros
da narrativa que te escorre na mente.

Não és criança (em
tamanho) e insistes em encarnar o cenário
todo
desde o sorriso do sol às colheres
com que os generais guiam a sopa à boca.

Tens uma linha interna tão rica

que se brincasses aos médicos, serias tratador
e paciente numa única massa.

Imbecil.

Morrerias ao trocar a fala do cirurgião
com a dor da carne a ser cortada. E eu trabalho
para que este idioma chegue até ti. Ainda hás-de
arranjar uma fala cooperativa para as tuas
brincadeiras, agora que já não tens quatro anos
e meio.

Homem.

Abre o buraco da generosidade
à força e mete-te lá dentro. Prova o adoçar
até ao oculto de dares. Se mesmo assim insistires
em te plantares nas artérias e no oco, ascenderás
sozinho às botijas ásperas de morreres bêbado
de solidão.

Tens o mundo cingido à singularidade do pensar
na ascensão carregada. Na continuação, nenhuma
terra te vai querer.
Sente-se daqui a beleza do teu futuro
reduzido ao nome escrito num tronco de uma
árvore sem ramos para te rasurar a existência de vez.
******

pedro s. martins

5 comentários:

  1. Mas as vezes temos de ser um pouco imbecieis para não perde um pouco da esportiva com a vida...

    Fique com Deus, menino.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. a vida às vezes é assim!

    abraços meus!

    ResponderEliminar
  3. Agradeço teu convite. Concordo coma Graça, muito pra se pensar.

    Grande abraço e sucesso!

    Joshuatree

    ResponderEliminar
  4. gosto quando os meus poemas servem de ignição a algo.

    ResponderEliminar