sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

ferida caduca


nahoj senna

I

Ninguém

te disse

para desistires

de ti enquanto serias unidade

composta milimetricamente.


Desobedeceste a tudo, ordens

e conselhos. Chapinaste a salva

de escutares nos hemisférios

da ignorância ignota.


Do amor

por amor com amor,

sejamos


am

e, e, e,,,,,,,


(quantas vezes

vão ter que ler esta palavra

até o confessarem por alguém?)


or.


Ainda não praguejava o idioma

as vezes que são as vezes

que elevo

a colher a boca ao comer

sopa que são as vezes

que mastigas os alfabetos incompletos

utilizados para os mandar

atravessar até ao outro lancil e já te lançavas

à procura do infinito no fundo

do mar tingido de teimosia.


Voltarás à tona, ou ficarás ancorada no areal

submerso de consistência?



II

Sejamos nós o caldo que alimenta as bocas

famintas de algo com pouca qualidade. Serás

tu a malga por onde ainda se bebe vinho

em bando nas aldeias.


Estás a ouvir?

Ou viras a cara

para o lado onde não tens a ferida

aberta pela desertificação de carne a troco

de pontapés da vida

enquanto me

anuncias o início da tua fase

caduca?


Escrevia eu a palavra caduca e sussurras-me

que te arrependes de não teres apreçado

mais depressa o volume da matéria

que perdes ao virares o ano que teima

em te acompanhar em vergões, saliva

de decisões que te fremem

o mindinho da consciência.

******


pedro s. martins


4 comentários:

  1. "Voltarás à tona, ou ficarás ancorada no areal

    submerso de consistência?"


    Uma indagação fabulosa, uma interpelação que navega pelos areais da insistência em saber-se do completo e do incompleto, do extenso e do inextenso, do nexo e do não-nexo... Complemento das formas ou formas de todos os complementos? Suprimento das coisas ou coisas de todos os suprimentos?

    Afirmação, não-afirmaçaõ, Pedro S. Martins, nos caminhos dos corações de vossos versos.

    ResponderEliminar
  2. "Mas, se eu pedi AMOR,
    por que serviram-me dobrada
    à moda do Porto fria?
    Não é prato que se possa
    comer frio.
    Mas veio frio..."

    Fernando Pessoa

    PS. A palavra caduca: AMOR

    paz e bem
    Satoru

    ResponderEliminar
  3. Obrigada per a sua atençaô.


    Estás oyendo?
    O giras la cara para el otro lado,
    donde no tienes la herida
    abierta por la desertificación
    de la carne,a cambio de puntapies de la vida,
    en cuanto me auncias el inicio
    de tu fase cadúca?

    Gosto desse pedazinho de ansiedade...
    E casi agresivo, e insultante a mesma vez.

    Seu jeito de escrever e muito especial,mais dá pra entender,só preciso de margulhar nu significado trasposto das palabras.

    Vó seguir margulhando.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  4. Nunca tinha lido nada meu em espanhol. Muito obrigado pela tradução.

    Volte, será sempre bem-vinda.

    ResponderEliminar