sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

selins


fotografia de pat - from pat with honey

Já te disse para te sentares.


Senta-te.


Sem esforçar muito a vista consigo

enxergar quase uma dezena

de selins

à espera que retemperes as forças

aplicadas na subida agreste.


Jan Ullrich, Virenque e o homem que tanto finta

o cancro como os adversários na

escalada da sua vida e tu sem quereres descansar.

Ouço-te a gemer daqui, do carro de apoio. Rebentam-se

os gémeos

em gritos de quem já não tem mais para dar.


Espetas


alfinetes para apaziguares as cãibras contínuas

e não te sentas.


E a falar do Tour, Giro ou Vuelta, falo-te da vida.

Trepaste por ela acima como quem tem medo

de ser alcançada pelo pelotão dos

que, amargurados, tentam-te alcançar. Agora,

no topo,

sozinha,

triunfaste no prémio

de categoria especial e é chegada altura

de meteres jornal ao peito e soluçar

a vertigem da descida.


Não há montanha só com uma encosta. Não há topo

sem descida. E não chores por teres de descer

do teu lugar altaneiro, porque se calhar não

te disseram,

mas há etapas

com metas em vales, planícies, fundões,

enfim,

lugares inacessíveis aos que caem

e esfolam cada centímetro

de tez – vocação sedenta de cimeiros –

durante a descida.


Sente-se a dor no teu olhar. As marcas do

suor no chapéu que nunca tiraste, a desidratação

de um medo passado em pedaladas com poucas

desmultiplicações. Massagem, descanso e amanhã

os pedais de encaixe e o rolar

até à próxima inclinação

extra.


Se não tiveres a sorte de passear a vida

numa Gant, Pinnarelo, Scott ou Trek, não desanimes.

Vai à Rua do Almada, inspira-te a travessia nos

retratos de ciclistas que por lá são vedetas elevadas

ao quadrado e pedala anos

fora.


Não existirão inclinações de 90 graus que te façam frente

à vontade

de ergueres os braços à hora

da tua morte.

******


pedro s. martins


6 comentários:

  1. Estás a produzir a doidado, Pedroca.
    Dessa vez, boiei que nem cocô. Putz grila, meu!
    Arre égua, mamãe, o moço é fera!

    ResponderEliminar
  2. Suas poesias são maravilhosas...

    beijão

    sucesso ....

    ResponderEliminar
  3. é que é mesmo muito bom! mais uma feliz revelação pelos blogs. É escrita muito bem elaborada, acho que já o disse algures...

    ResponderEliminar
  4. ah!

    ... das raras, esqueci-me de referir: muito rara mesmo. Ou seja: talento raro. Pronto, que hei-de dizer mais?

    ResponderEliminar
  5. Seu texto é magnífico meu caro!Adorei!
    Um grande beijo e ótimo fim de semana pra você!

    ResponderEliminar
  6. Muito obrigado a todos por tantos elogios.

    Alexandre, a ignição de todo o processo de leitura enquanto ser humano deve-se ao “seu” ALA, esse sim, um génio incomparável. Esse sim, um senhor escritor. Um senhor humano.

    ResponderEliminar