quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

figuras humanas

Dançavam todos iguais.


Com o chapéu na cabeça e

os pés a desenharem figuras no chão.


Jurava que vi um cisne

riscado de traços em tacos envernizados.

Apenas lhe faltavam as penas.


(nota atenta do júri)


És a bailarina da minha imagem e

repetes melhoradamente o que eu faço.


Dou um passo – tu és dança;

Rodopio – tu és pirueta;

Caio – tu és salto gracioso.


És silhueta no espelho

de um triste embebido com o álcool da vida.

******


pedro s. martins

10 comentários:

  1. mediadado pela dança escreve» jurava quevi um cisne/ riscado de traços em tacos envernizados/ apenas lhe faltavam as penas...
    gostei de ler , parabéns poeta...
    cordialmente
    __________ JRmarto

    ResponderEliminar
  2. Acrescento ,_______ a força visual deste e demais poemas...
    cordialmente_________ JRmarto

    ResponderEliminar
  3. a gente dança conforme a dança,
    e dependendo da dança, vira criança...

    ResponderEliminar
  4. Abri meus olhos de alma ensopada
    Salpicados pelo cheiro da maresia…
    Na fina areia molhada o mar me acordava
    Num manto de espuma branca, me dizendo… bom dia!

    O abraço...

    ResponderEliminar
  5. Agradeço o convite!

    "Caio – tu és salto gracioso. (...)...triste embebido com o álcool da vida."

    Lindo vou vir cá muitas vezes!!!

    ***

    :)

    ResponderEliminar
  6. Este foi um dos primeiros poemas a entrar na “gaveta”.

    ResponderEliminar
  7. gostei de aqui estar, voltarei por certo.~
    grata pelo convite e pela partilha

    Mel

    ResponderEliminar
  8. gostei de aqui estar, voltarei por certo.
    grata pelo convite, pela partilha.

    Mel
    www.noitedemel.blogs.sapo.pt (poesia)

    ou no link que deixo

    ResponderEliminar