quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

elásticar-te


(imagem gentilmente cedida por pat - from pat with honey)



elástica ruga do amor,


hoje ferves.


Não me basta

a veia fora do braço, quero-as todas fora

de mim em cordas manipuladoras do teu

pequeno espectáculo.


Com os tendões a servirem-te de ponto,

sinto o coçar da casca do amor.


Queria um travessão no texto para te dar

voz – não o encontrei – neste doloroso

artífice de te manter abrigada pelo

meu interior voltaico.


Crês no acre de sermos filhos de um vidro

estilhaçado.


Creio que somos pais de cacos de um vidro

que nunca

estilhaçou: partiu de imediato para o chão

molhado pela pausa

da alegria.


Não te extingues, afastas-te como eu

de mim.


Para que não te percas no regresso,


dou-te o fio de norte

que precisares feito

da tua fervura.


Amanhã escreve-me um

poema de resposta. Luta pela

procura do travessão que guardo

atravessado

na minha garganta

para me dares voz.


Torna-te branda e encontrar-me-ás.


Seremos

aqueles dois que percorrem o jardim em silêncio

e junto à moleza da árvore trocaremos estes

poemas.


Partiremos

descarrilando até à estação mais próxima:


a sanidade dos outros.

******


pedro s. martins

21 comentários:

  1. Absolutamente lindo e tocante. Obrigada, Pedro.

    ResponderEliminar
  2. Flores para você

    Para você enfeitar o seu dia,

    lhe trazer mais alegria

    mais paz a cada minuto.

    Flores

    Para você pensar na vida com mais carinho,

    e não se esquecer que por você

    carrego o sentimento mais sublime:

    A amizade!

    ResponderEliminar
  3. não quero partir
    porque não há chegada,
    a ponte do sonho caiu,
    sem margens
    a minha rota
    atravessa o suor
    de gaivotas poisando,
    pétalas de sorrisos
    sugam-me os lábios
    salpicando o meu rosto,
    és uma flor ?
    pergunta-me o vento,
    não, não sou nada,
    quero ser o mar
    simplesmente,

    poetaeusou


    Uma bela semana pra você...
    Abraços

    ResponderEliminar
  4. É a gravidez possante das palavras, ao estilo que nos habituou.


    Abraços d´ASSIMETRIA DO PERFEITO

    ResponderEliminar
  5. Muito obrigado a todos.

    (vamos continuar a poda
    disso)

    ResponderEliminar
  6. Gostei do poema. Tem finura, um traço muito agradável. Parabéns!

    ResponderEliminar
  7. Muito bom.
    Já tentaste publicar em papel?

    ResponderEliminar
  8. os travessões servem apenas para dias sem fundo de rio...

    ResponderEliminar
  9. parabens pelo blog

    visitem

    luizcesarbaptista.blogspot.com

    ResponderEliminar
  10. poderosa (e subtil) a linguagem poética. a tua.

    admirável poema.

    abraços

    ResponderEliminar
  11. A palavra mágica
    dorme na sombra
    de um livro raro.
    Como desencantá-la?
    É a senha da vida
    a senha do mundo.
    Vou procurá-la.
    Vou procurá-la a vida inteira
    no mundo todo.
    Se tarda o encontro, se não a encontro,
    não desanimo,
    procuro sempre.
    Procuro sempre, e minha procura
    ficará sendo
    minha palavra.

    Carlos Drummond

    Lindo domingo!
    abraços

    ResponderEliminar
  12. Magnífico poema de amor. Não sei muito bem que palavras mais adicionar.

    Um abraço,

    Bruno

    ResponderEliminar
  13. "Amanhã escreve-me um
    poema de resposta"
    E veio a resposta?
    Um abraço

    ResponderEliminar
  14. Mais uma vez,

    o meu sincero agradecimento a todos.

    ResponderEliminar