sábado, 28 de março de 2009

casa bipolar

(fotografia gentilmente por Maria P. - Casa de Maio)

Estremece a casa desde o chão
a transbordar vida verdejante
até à chaminé
desafiando o destino a viver em cima
de um fio quente.

As janelas morreram de solidão
e saudade as portas
já não são entradas nem saídas, e a pedra
há muito que se escora na finura da madeira
que imita a pele de algo / alguém que está
preso pelas ancas entre o vivo
e a redução a escombro.

Desta cadeira
observo uma casa bipolar desde a pedra
à aura,
alicerçada
por um tapete de vida esperançosa
em algo
construtivo.

Era eremita até as criaturas perceberem
nela uma linha a descoser-se
entre a luz do dia
e o negro
das trevas.

Vive alma nesta estátua de habitação
pretérita. Mergulha devagar um dos seus
lados sobre quem a soube alicerçar: mãe
terra,

enquanto o outro, o dextro,
se ergue
num elegante sorriso, cumprimentando
quem a vê: ninguém, ou quase.

Ovelhas soletradas pela relva assistem e pastam
enquanto trocam olhares
complacentes com a casa madura que pede
o verde à relva para ter esperança
em albergar,

novamente,


carne madura.
******

pedro s. martins

19 comentários:

  1. Éngraçada esta casa.Talvez pq como eu tb é bipolar e só ela sabe o que encerra em si.

    Obg pelo carinho!

    um bjo

    ResponderEliminar
  2. Entre o céu e a terra, a luz e a sombra, o passado e o presente, a morte e a vida.

    A memória a saudosar-se ao futuro. E o futuro a querer abraçar-se à quase memória da saudade.

    Além e aqui. Mundo diverso.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. Gostei, gostei mesmo muito.
    É reconfortante ver as minhas fotografias ilustradas por outros, partilhadas.

    Beijinho, Pedro.

    ResponderEliminar
  4. a pedra/memória
    o passado/presente
    em palavras/poema

    encantatório


    .
    um beijo

    ResponderEliminar
  5. "Ovelhas soletradas pela relva assistem e pastam
    enquanto trocam olhares
    complacentes com a casa madura que pede
    o verde à relva para ter esperança
    em albergar,

    novamente."
    Não poderia ser melhor esse desfecho.
    Parabéns. Poeta de sucesso.

    ResponderEliminar
  6. Passando para desejar um lindo domingo com um ótimo inicio de semana.
    Abraços do amigo Eduardo Poisl

    ResponderEliminar
  7. hoje-ontem-hoje-amanhã-ontem-hoje-hoje-hoje-ontem-amanhã-hoje

    senti-me dentro dessa casa.

    ResponderEliminar
  8. bipolar é uma palavra muito especial, pedro. e cada vez mais "madura" esta poesia. um beijo e um bom domingo.

    ResponderEliminar
  9. bipolar e lítio são-me palavras muito definitivas.

    ResponderEliminar
  10. brincas com as palavras e cpm elas saem belas poesias.

    bipolar noutro contexto, é muito complicado.

    fica um beij

    ResponderEliminar
  11. "Vive alma nesta estátua de habitação
    pretérita. Mergulha devagar um dos seus
    lados sobre quem a soube alicerçar: mãe
    terra..."



    muito bom....telúrico Pedro.


    beijos.

    ResponderEliminar
  12. Bem, Pedro, adorei este teu poema. Mesmo.

    Beijos meus

    Graça

    ResponderEliminar
  13. insisto na citação da Isabel Méndes Ferreira

    "Vive alma nesta estátua de habitação
    pretérita. Mergulha devagar um dos seus
    lados sobre quem a soube alicerçar: mãe
    terra..."

    ... poema maduro.

    abraço

    ResponderEliminar
  14. A pedra a resistir. A casa teimando em guardar memórias. Excelente poema. Um abraço.

    ResponderEliminar
  15. Um poema com a dualidade a lhe fazer parte. Muito belas imagens e palavras. Bj

    ResponderEliminar
  16. Um poema com a dualidade a lhe fazer parte. Muito belas imagens e palavras. Bj

    ResponderEliminar